Arbo-V, um game educativo para a prevenção e combate de arboviroses (V.3, N.10, P.4, 2020)

Tempo estimado de leitura: 8 minuto(s)

Divulgadores da Ciência*:

Felipe T. Jordão, Letícia A. Andrade, Carla M. Santana, Felipe B. Garcia.

*Todos os autores e participantes do projeto são pós-graduandos no programa de Pós-graduação em Biossistemas da UFABC.

 

Ao longo dos anos, as arboviroses têm tornado-se importantes quando o assunto é saúde pública. Devido às mudanças climáticas, migração, ocupação desordenada de áreas urbanas, desmatamentos e precariedade das condições sanitárias, observou-se um aumento da amplificação e transmissão viral. 

 

Mas, o que são arboviroses? Arboviroses são vírus que utilizam artropodes hematofagos como veículos para transmissão até os seres humanos e outros animais. Além do mais, os vírus utilizam os artrópodes como parte do seu ciclo replicativo. Em humanos, os arbovírus causam as mais diversas doenças, como a dengue, zika, chikungunya e febre amarela.

 

Segundo a Secretaria de Vigilância em Saúde, em 2019, o Brasil registrou 742.064 casos confirmados de dengue. Logo seguido da chikungunya e zika vírus, com 47.946 e 1.788 casos confirmados, respectivamente. Somente no estado de São Paulo, foram 410.991 casos prováveis de dengue com 902,5 de incidência (casos/100 mil habitantes), evidenciando assim a relevância que esses patógenos possuem no país.

 

As arboviroses somente são possíveis devido a picada de mosquitos como Aedes aegypti e outros. Desta forma, a prevenção da doença deve ser realizada evitando sua disseminação. Para que isso ocorra, existem diversas medidas de prevenção conhecidas como profilaxia. É preciso que se saiba que os mosquitos se proliferam dentro dos domicílios, sejam urbanos ou não,  e criam-se em água parada, ou seja, qualquer recipiente como caixas d’água, latas e pneus contendo água, são ambientes favoráveis para serem criadouros dos mosquitos.

 

Dessa forma, é importante que se promova na população o hábito de evitar a formação de criadouros desses mosquitos. Para isso, a abordagem deste assunto já deve ser considerada durante a educação básica, preferencialmente já no Ensino Fundamental, para que assim o aluno desde o início de sua trajetória escolar já tenha consciência e conhecimentos para o combate e prevenção dessas doenças.

 

Já há muitas pesquisas que demonstram que o uso de jogos didáticos ou técnicas lúdicas de aprendizado transformam o aluno de agente passivo na educação em agente ativo, estimulando o interesse pela informação. Além disso, o ensino de combate e prevenção de doenças é essencial para a formação de alunos como cidadãos. A necessidade desse tipo de aprendizado a ser trabalhada também é compreendida pela Base Nacional Comum Curricular (BNCC), documento válido a partir de 2019, que regulamenta quais são as aprendizagens a serem abordadas nas escolas públicas e particulares brasileiras nos Ensinos Infantil, Fundamental e Médio. Especificamente, na seção de Ensino Fundamental, consta na competência de Ciências da Natureza, na unidade temática Vida e evolução, as seguintes habilidade a serem trabalhadas no 3º ano:

 

(EF04CI08) Propor, a partir do conhecimento das formas de transmissão de alguns microrganismos (vírus, bactérias e protozoários), atitudes e medidas adequadas para prevenção de doenças a eles associadas.”

 

 

Portanto, desenvolvemos um jogo de computador como material complementar aos professores de Ensino Fundamental durante essas aulas sobre o combate e prevenção de arboviroses, o Arbo-V.

 

O Arbo-V é um jogo no estilo point – and – click, ou seja, é jogado através do uso do mouse para interagir com os cenários e objetos encontrados no jogo. Nele, o jogador irá ajudar a personagem Mayara a encontrar os criadouros de mosquitos que podem transmitir arboviroses na casa dela. Sugerimos que o jogo seja usado após aulas sobre o assunto proposto, como material complementar.

 

Este jogo foi desenvolvido e se encontra no Scratch, uma plataforma desenvolvida pelo Lifelong Kindergarten no Media Lab do Massachusetts Institute of Technology (MIT). Com essa ferramenta é possível criar códigos para a elaboração de jogos, histórias e animações utilizando uma linguagem de programação bem simples. Além disso, essa plataforma possui possui um aspecto comunitário em que os projetos produzidos e seus respectivos códigos além de ficarem compartilhados de livre acesso para toda a comunidade, é também possível “remisturar”, ou seja copiar o projeto e modificá-lo adicionando suas próprias ideias, assim funcionando como uma ferramenta colaborativa e comunitária. 

 

O Scratch é completamente gratuito e disponibilizado sob a licença Creative Commons Attribution-ShareAlike, o que permite que os projetos produzidos possam ser livrementes distribuídos. Portanto, também convidamos a todos os interessados a olharem o código-fonte do Arbo-V e acrescentarem/criarem os seus próprios jogos e animações.

 

Tela inicial do Arbo-V

 

 

Uma screenshot de uma das etapas do  jogo

 

Acesso ao Arbo-V:

Link do jogo na plataforma Scratch:

https://scratch.mit.edu/projects/404503177/

Clique na bandeira verde para iniciar. Clique em Ver por dentro para ver o código-fonte e Remisturar para copiar o projeto e modificá-lo como quiser. 

Link do jogo para baixar e jogar offline:

https://drive.google.com/drive/folders/1vhZqxR7-MBenLgqGV68zkGKXPsub2Wkj   

Baixe e descomprima o arquivo e obterá uma pasta contendo o Arbo-V. Leia o arquivo “LEIA-ME” antes de iniciar. 

 

Apoio:

Este projeto foi realizado com apoio da Pró-reitoria de Extensão e Cultura (PROEC) da UFABC.

 

Referências

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR (BNCC), Ministério da Educação. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Chikungunya: manejo clínico / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. – Brasília:Ministério da Saúde, 2017. 65 p. : il.

BRASIL. Ministério da Saúde. Dengue: sintomas, causas, tratamento e prevenção. Brasília [2008?]. Disponível em: <http://www.saude.gov.br/saude-de-a-z/dengue>. Acesso em: 20 de jul. de 2020.

BRASIL, Ministério da Saúde. Febre amarela: sintomas, tratamento, diagnóstico e prevenção. Disponível em: https://www.saude.gov.br/saude-de-a-z/febre-amarela-sintomas-transmissao-e-

prevencao. Acesso em: 20 de jul. de 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Guia de Vigilância em saúde. Disponível em:

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_vigilancia_saude_3ed.pdf.

LOPES, Nayara; NOZAWA, Carlos; LINHARES, Rosa. Características generales y epidemiología de los arbovirus emergentes en Brasil. Revista Pan-Amazônica de Saúde. v. 5 n. 3 (2014): jul-set

Related Post

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Twitter