Acangaobitermes

Família: Termitidae

Subfamília: Syntermitinae



O Cupim dessa Semana traz para vocês o gênero
Acangaobitermes, descrito em 2011. Nesse gênero há somente uma espécie descrita, cujo nome é Acangaobitermes krishnai, uma homenagem ao termitólogo, Kumar Krishna – você se lembra da nossa publicação no dia nacional da ciência, sobre o termitólogo Renato Araújo?! Pois é, olha ele com o Krishna na foto ao lado.

Os Acangaobitermes são conhecidos apenas do Brasil, e todas as amostras já coletadas foram de bichos que estavam no solo, ou como inquilinos intrusos nos ninhos de outras espécies. Pelo que tudo indica, costumam viver em regiões descampadas ou nas bordas de florestas, mais especificamente em Minas Gerais, Rondônia e em Goiás – se passar perto do Parque Nacional das Emas ou no Parque Estadual da Serra de Caldas Novas, tente encontrar um Acangaobitermes por lá ;-).

O nome do gênero vem de uma junção de palavras de dois idiomas diferentes: “Acangaobi” vem do Tupi, e significa “cabeça afunilada”, enquanto “Termes” vem do Latim, e significa “verme de madeira”. Portanto, o nome “Acangaobitermes”, é devido a cabeça dos soldados desse gênero, que possuem um longo tubo em formato de funil que chamamos de “Naso”. O naso é uma estrutura utilizado para secretar substâncias tóxicas e(ou) pegajosas, que contribuem para a defesa da colônia. Além do naso, os soldados de Acangaobitermes possuem mandíbulas pontiagudas, com um único e pequeno dente voltado para o interior (a seta laranja indica onde está esse dentinho). Outras características marcantes destes soldados, é que na ponta do naso eles possuem pequenas cerdas, e na parte interior da cabeça possuem pequenas granulações, que estão indicadas pelas setas pretas na imagem ao lado.

Lembra do nosso texto sobre os Noirotitermes noiroti?! Assim como os Acangaobitermes, eles também possuem essas granulações na cabeça dos soldados e esses pequenos dentes na parte interna mandíbula, provavelmente porque ambos grupos são parentes próximos. Além disso, os operários de A. krishnai também são muito similares aos da espécie N. noiroti, mais uma evidência para a proximidade destes dois grupos. Apesar das muitas semelhanças entre os dois grupos, o formato da cabeça dos soldados é o que distingue o gênero Acangaobitermes.


Texto: Samuel Marques Aguilera Leite


Referências:

Engel, M.S., Grimaldi, D.A. (2011). Kumar Krishna, in appreciation. ZooKeys 148: 1–13.

Rocha, M.M., Cuezzo, C. & Cancello, E.M. (2011). A new genus and species of mandibulate nasute termite (Isoptera, Termitidae, Syntermitinae) from Brazil. ZooKeys 148: 125–134. 

Rocha, M.M., Morales-Corrêa e Castro, A.C., Cuezzo, C., Cancello, E.M. (2017) Phylogenetic reconstruction of Syntermitinae (Isoptera, Termitidae) based on morphological and molecular data. PLoS ONE 12(3): e0174366.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *