Engenharia suave? O papel das Soft Skills (V.4, N.2, P.6, 2021)

Tempo estimado de leitura: 6 minuto(s)

Divulgadores da Ciência:

Júlio Francisco Blumetti Facó e Alexandre Acácio de Andrade, professores Associados do Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas e cofundadores do Fórum de Inovação e Competitividade Sustentável da UFABC.

A Quarta Revolução Industrial continua a remodelar todos os aspectos de nossas vidas, incluindo o papel e atuação de trabalhadores e profissionais no mundo todo. Tecnologias como IA (Inteligência Artificial) e computação em nuvem automatizam nossa realidade de diversas maneiras. Assim, é fácil supor que as carreiras que trabalham com essas tecnologias, entre elas as engenharias, irão dominar o mercado de trabalho futuro. Mas não é bem assim.

    A demanda por atributos tanto “exatos” quanto “humanos” está impulsionando o crescimento das profissões do futuro e remodelando o papel dos profissionais de engenharia uma visão holística é cada vez mais importante.

    Não é de hoje que a inteligência emocional, negociação e criatividade estão presentes em nossas vidas, e é cada vez mais forte sua presença nas relações de trabalho nas empresas, entre governos, nas universidades e dentro de institutos de pesquisa avançada. Essas são algumas das competências que todo profissional precisa hoje e também precisará na próxima década, segundo o mais recente relatório do Fórum Econômico Mundial . Estas competências – alicerçadas no tripé racional, social e emocional – são conhecidas no jargão do momento como soft skills.

    Algumas destas competências do tipo softskills – que nada têm de suave – essenciais para a próxima década são:

• Pensamento crítico
• Criatividade
• Gestão de pessoas
• Capacidade de julgamento e tomada de decisões
• Orientação para servir
• Negociação
• “Aprendabilidade”(capacidade de reaprender e aprender coisas novas)

 

Comece já a desenvolver suas soft skills!

 

As Soft Skills estão entre as atuais tendências que estão transformando o trabalho e os estudos. É o que aponta o LinkedIn em mais uma pesquisa com base em dados de líderes, especialistas e analisando as múltiplas atividades na plataforma da rede de relacionamentos profissionais. As soft skills são habilidades de relacionamento e empatia, de colaboração, de adaptabilidade e reinvenção que todo (o) mundo pode desenvolver, por isso comece já a praticar, seja na escola ou Universidade, seja no estágio ou no trabalho. A oportunidade – e a capacidade – de aprender pode estar em qualquer lugar, mas certamente estará em toda a sua vida.

    Essa capacidade de aprender e reaprender coisas, assuntos e experiências talvez seja a grande competência humana ao longo de nossas vidas: na forma de Lifelong Learning – vida longa ao aprendizado. É a expressão que melhor explica o que estamos vivendo. Essa aprendabilidade envolve a necessidade de nos mantermos constantemente estudando e aprendendo. Uma das instituições que disseminam esse conceito é a Lifelong Learning Council Queensland (LLCQ ), que propõe um aprendizado flexível, diverso e disponível em diferentes tempos e lugares ao longo de toda nossa vida.

    Mas não se esqueça das Hard Skills, é importante combinar hard e soft skills. As competências técnicas, chamadas no jargão de negócios de hard skills, têm sido fundamentais e essenciais nas formações técnicas e especializadas como, por exemplo, as Engenharias. Na sua origem remontam uma compreensão de Mundo Estático (pouco mutável), regido pela identificação de soluções de problemas por meio de um arcabouço técnico que atendeu razoavelmente bem a humanidade ao longo do século XX e ainda atende… porém tem limitações, como por exemplo a busca por uma única resposta certa para um problema especifico.

 

 

    As soft skills, usualmente chamadas de competências não técnicas, de maneira complementar, permitem que os indivíduos interajam de forma eficaz e cooperativa uns com os outros. Essas habilidades são vitais para todas as organizações têm impacto e reflexos na cultura da empresa.

    De muitas maneiras, o surgimento de máquinas cada vez mais novas e complexas exige, na verdade, um aumento proporcional nas nossas habilidades sociais e emocionais – que as máquinas não conseguem dominar. À medida que tais tecnologias assumem tarefas cognitivas mais manuais e básicas, as empresas estão caminhando em direção à necessidade de profissionais que sejam não apenas tecnicamente competentes, mas também criativos, com visão de contexto, persuasivos e colaborativos.

    O mundo da automação requer pensamento crítico mais profundo, melhor comunicação e maior criatividade do que nunca. Os trabalhadores também precisam entender e aprender como se comunicar entre si, sobre essas máquinas e com essas novas tecnologias.
    Na medida em que mudamos de um mundo estático para um Universo Dinâmico, a busca por uma solução única para problemas torna-se altamente limitante e disfuncional em alguns casos. Hoje vale mais a transformação de problemas em oportunidades e a busca de mais de uma solução certa! E isso só é possível associando hard e soft skills.

 

 

    Por isso não abandone a escola! Um bom currículo é uma mistura harmoniosa de competências técnicas, background de educação e capacitações associadas a atributos comportamentais que compõe as habilidades de qualquer bom profissional.

Referências

http://www3.weforum.org/docs/WEF_Jobs_of_Tomorrow_2020.pdf

https://business.linkedin.com/talent-solutions/recruiting-tips/global-talent-trends-2020

http://www.llcq.org/

https://executive.mit.edu/blog/

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Twitter