Facebook Twitter Instagram YouTube

Que seja eterno enquanto dure… (V.1, N.2, P.2, 2018)

Tempo de leitura: 6 minutos
#acessibilidade Dois esquilos se enfrentando em um duelo mortal como em uma cena clássica do filme Highlander, com a frase “There can be only one Highlander” ao lado

Durante a década de 80 um filme fez muito sucesso contando a história de um homem amaldiçoado pela imortalidade (Connor MacLelod – interpretado pelo ator Christopher Lambert) que só conseguiria encontrar a morte através do duelo de espadas com outro imortal. O Filme Highlander – o Guerreiro imortal, embora uma ficção, utilizou-se de elementos que habitam nosso imaginário a respeito da idade limite natural que um ser humano poderia alcançar.

O fato é que a ficção e a ciência estão sempre de mãos dadas já que é a imaginação que leva os cientistas a buscarem explicações acerca daquilo que cremos ser impossível.

Há algumas semanas (28 de junho de 2018), um artigo publicado na revista Science traz dados e discussões a respeito se há ou não um limite natural para quanto tempo os humanos podem viver. Sabemos que pelo progresso tecnológico a expectativa de vida aumentou consideravelmente desde o século 19, porém, dados científicos levavam a crer que a vida útil máxima dos seres humanos seria fixa e sujeita a restrições naturais.

O consenso na comunidade científica é que o risco de morte aumenta a partir que avançamos na idade. Ou seja, conforme envelhecemos, a probabilidade de morrer aumenta, o que levaria a um limite teórico na idade adulta por volta de 114 anos. No entanto, os dados mostram que quando as pessoas entram nos seus 90 e 100 anos essa tendência do aumento do risco de morte desacelera e alcança um valor constante.

E foi utilizando de informações demográficas de mais de 4000 italianos com idade superior a 110 anos, os chamados “super-centenários”, que pesquisadores da Universidade de Roma na Itália mostraram em seus estudos que a partir dos 105 anos de idade as chances de alguém morrer de um aniversário para o outro é de aproximadamente 50:50, concluindo que não deve haver um limite natural para quanto tempo os humanos podem viver – pelo menos hipoteticamente!

Assim, podemos dizer que a japonesa Chiyo Miyako (02 de maio de 1901) hoje com 117 e conhecida como a pessoa viva mais velha do mundo pode viver indefinidamente… Ou melhor, caso queiramos nos tornar um Highlander temos que evitar morrer antes dos 110 anos de idade!

Fontes:

Fonte da imagem destacada: internet.

Science 29 Jun 2018, Vol. 360, Issue 6396, pp. 1459-1461

Link: http://science.sciencemag.org/content/360/6396/1459

Título: The plateau of human mortality: Demography of longevity pioneers

Autores: Elisabetta Barbi1, Francesco Lagona, Marco Marsili, James W. Vaupel, Kenneth W. Wachter

Outros divulgadores:

Vídeo do canal Nerdologia sobre Imortalidade

Texto do Nexo Jornal sobre longevidade humana

Compartilhe:

Responder

Seu endereço de e-mail não será publicado. Obrigatório *