Os cientistas estão se tornando menos solitários? (V.3, N.11, P.2, 2020)

Facebook Twitter Instagram YouTube

Os cientistas estão se tornando menos solitários? (V.3, N.11, P.2, 2020)

Tempo de leitura: 4 minutos
#acessibilidade A imagem apresenta no lado esquerdo um grupo de 10 peões de xadrez, todos juntos. Ao lado direito está apenas um peão solitário, separado do grupo.

Texto escrito pelos colaboradores Andréia C. dos Santos Gusmão e Jesús P. Mena-Chalco

Nos dias atuais, a colaboração científica tornou-se uma prática comum na ciência moderna interdisciplinar, na qual os cientistas, usando a tecnologia como aliada, se debruçam no estudo e compreensão do mundo. Neste contexto, o que seria um cientista solitário? Definimos como cientistas solitários, pessoas que publicam sozinhas, sem coautoria de alguma outra pessoa, i.e., publicação solo.

Como podemos mensurar essa forma de trabalho? Para responder esta pergunta consideramos como fonte a Plataforma Brasileira de Currículos Lattes que conta com mais de 6 milhões de pesquisadores cadastrados, divididos em diversas áreas de conhecimento. Pela coleta realizada em março de 2020, identificamos 218.048 doutores que atualizaram seu Currículo Lattes em 2019 ou 2020. Dessas pessoas, as publicações (em periódicos, eventos, capítulos de livros ou livros) foram analisadas computacionalmente uma a uma a fim de contabilizar a sua produção solo.

Desde 1980 até março de 2020 foram identificados 1.550.273 publicações solo. Isto é, mais de um milhão e meio de publicações foram assinadas por apenas uma pessoa. Qual seria a área com maior produção de artigos solo? Qual seria a área com maior porcentagem de produções solo? A figura abaixo pode ser útil para responder ambas as perguntas. Educação é a área com maior número de publicações solo (mais de 180 mil produções bibliográficas). Por outro lado, Teologia é a área com maior porcentagem de publicações solo (75% de suas produções bibliográficas são feitos solo).

publicacoes solo - Os cientistas estão se tornando menos solitários? (V.3, N.11, P.2, 2020)

Será que os cientistas mais velhos, ao ganharem mais experiência e independência, tendem a publicar mais solo? Ou será que os cientistas mais jovens, por serem inexperientes, tendem a publicar mais? Para respondermos esta pergunta procuramos obter a idade acadêmica de cada pessoa. Neste experimento, a idade corresponde ao número de anos transcorridos após a defesa do primeiro título de doutorado.

Ao que tudo indica, quanto maior a idade do cientista maior a quantidade total de publicações solo (figura à esquerda). Por outro lado, em termos relativos, do total de produções realizadas pelas pessoas, a porcentagem de publicações solo nos primeiros 10 anos é maior que 33% e gradualmente vai diminuindo até os 30 anos, chegando a cerca de 10%. Após isso existe um leve aumento, por exemplo, para cerca de 17% após os 41 anos (figura à direita).

boxplot idade - Os cientistas estão se tornando menos solitários? (V.3, N.11, P.2, 2020)

Tudo certo, mas a tendência a publicar solo está aumentando? Está diminuindo? Em termos gerais, podemos perceber que o número de publicações solo tem aumentado sistematicamente até o ano de 2011 (80.484 publicações) e desde então tem diminuído gradativamente (chegando em 51.105 em 2019).

aumento publicacoes - Os cientistas estão se tornando menos solitários? (V.3, N.11, P.2, 2020)

A forma de produzir, e o ritmo de se fazer ciência, difere e é inerente a cada área do conhecimento. Cientistas interagem, e como fruto dessa interação, as descobertas científicas são realizadas e comunicadas à sociedade. Olhar apenas as publicações solo significa olhar, de forma bem simplificada, a produção redigida apenas por um único cientista, sendo que esta pessoa pode fazer parte de interação entre diferentes cientistas.

Qual seria o oposto à publicação solo? Então, a outra forma de publicação, que nos últimos anos está sendo evidenciada é a hipercolaboração (ou hiperautoria). Para mostrar esse fenômeno, na seguinte figura apresentamos o número de publicações com mais de 40 colaboradores cada. Em 2018 foram identificadas 6.136 publicações deste tipo. Não temos apresentado na figura, mas acredite, a Física é a área que se destaca entre as áreas com maior colaboração por publicação, tendo algumas publicações com mais de 5.000 coautores.

hipercolaboracoes - Os cientistas estão se tornando menos solitários? (V.3, N.11, P.2, 2020)

E afinal, qual será o futuro da pesquisa científica a partir de 2020? Os cientistas publicarão mais solo ou a coautoria multidisciplinar terá um grande impacto pós pandemia covid-19? As publicações contarão com um número maior de colaboradores e com ainda mais diversidade de áreas? A roda acadêmica gira sobre os ombros de gigantes, digamos, solitários?

Será que teremos em um futuro próximo uma quantidade de publicações com coautoria tão expressiva quanto temos hoje para publicações solo? Tomamos como exemplo o ano de 2019, com mais de 51 mil publicações solitárias contra 4 mil publicações que contaram com mais de 40 coautores em cada uma. Ou será que, embora aumente a quantidade de colaboração em coautoria, o número de coautores não seja tão grande?

Fontes:

Fonte da imagem destacada: Alexas_Fotos | Pixabay

Compartilhe:

Responder

Seu endereço de e-mail não será publicado. Obrigatório *