Facebook Twitter Instagram YouTube

(Português do Brasil) Por que algumas pessoas sentem prazer na dor? (V.4, N.3, P.1, 2021)

Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en Portugués De Brasil. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Tiempo de leer: 3 minutos

Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en Portugués De Brasil y Inglés Estadounidense. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in this site default language. You may click one of the links to switch the site language to another available language.

#acessibilidade A imagem mostra uma boca com batom vermelho mordendo uma pimenta vermelha.

Texto escrito pelo colaborador Igor Espindola de Almeida

A fuga de tudo que causa dor pode ser clara para a maioria das pessoas, mas alguns casos, como no exercício físico, um prato apimentado ou uma discussão em um relacionamento, mostram que prazer e dor podem andar juntas na natureza humana.

A dor é algo que o corpo entende com urgência, isto porque geralmente, se algo está te causando dor, é porque pode causar prejuízo a você: altas temperaturas, baixíssimas temperaturas, uma picada, descargas elétricas, e a lista de perigos continua. Mas como você sabe que está com dor?

nociceptor - (Português do Brasil) Por que algumas pessoas sentem prazer na dor? (V.4, N.3, P.1, 2021)Pense que você é um soldado operando um radar em um submarino. No radar aparece um míssil que está vindo em sua direção. Como um bom soldado, você avisa os demais e pede para eles levarem a mensagem para o capitão. Os demais soldados avisam o capitão que soa o alarme e prepara uma estratégia para se defender e anular o perigo.

No caso do nosso corpo, você seria o que chamamos de nociceptor, um tipo de célula em nossa pele que registra fatores de perigo (como temperatura e pressão) que estejam nos afetando. Ligados a esses nociceptores ficam neurônios, células do sistema nervoso que se comunicam por meio de sinais elétricos. Quando algo está errado, os nociceptores estimulam os neurônios a que estão conectados, “avisando-os” que há algo errado e que essa informação precisa ser repassada para o “capitão”: o cérebro. A informação é repassada de neurônio para neurônio, saindo da sua pele até sua coluna, para subir e chegar nos neurônios do encéfalo, onde a informação é processada. É nesse momento que você entende que algo está te causando dor. Uma vez percebida e reconhecida sua origem, uma estratégia será traçada para parar a dor, a menos que o indivíduo goste dela. Esse gostar é causado por uma relação biológica.

Quando o encéfalo detecta a dor, uma parte dele chamada hipófise, responsável por soltar substâncias na rede sanguínea, libera o hormônio endorfina, que alivia a dor para que ela se torne suportável o bastante para que o encéfalo possa traçar estratégias para pará-la. A endorfina, no entanto, também é liberada em atividades prazerosas, como comer chocolate.

Outro bom exemplo é a atividade física. Apesar de você estar gastando energia enquanto se exercita, e possivelmente estar sentindo alguma dor, a endorfina faz com que você tenha um sentimento de bem estar. O mesmo ocorre quando ingerimos algum tipo de pimenta, o sabor picante também é resultado de receptores na língua que processam a dor.

As associações não se limitam às sensações físicas. Uma outra molécula presente no funcionamento de nosso cérebro, a ocitocina (também chamada de oxitocina), comumente associada à empatia e às relações sociais positivas, tem se mostrado presente quando um parceiro apresenta algum tipo de desprezo. Essa liberação de ocitocina faz com que o parceiro desprezado tente se aproximar emocionalmente do outro a fim de manter o relacionamento. Assim, a adequação dos limites de tolerância à dor têm promovido diversas experiências aos seres humanos, prazerosas ou não.

Fontes:

Fonte da imagem destacada: Imagem de englishlikeanative por Pixabay

Fonte da imagem 1: Autor

BEAR, M. Desvendando o Sistema Nervoso, 3 Ed., 2008.

NEHLIG A. The neuroprotective effects of cocoa flavanol and its influence on cognitive performance. Br J Clin Pharmacol. 2013; 75(3):716-727. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3575938/

BOSLAND PW. Hot stuff – do people living in hot climates like their food spicy hot or not?. Temperature (Austin). 2016;3(1):41-42. Published 2016 Jan 29. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4861186/

GREBE, N. Oxytocin and vulnerable romantic relationships. Hormones and behavior. Hormones and behaviour 90. Fevereiro, 2017.
Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/314227000_Oxytocin_and_vulnerable_romantic_relationships

Para saber mais:

Podcast – Jornal da USP – Exercícios de alta e de média intensidade liberam maior quantidade de endorfina

Outros divulgadores:

Nanocell News – Jornal

TED-Ed – Youtube

Clash Course – Youtube

Compartilhe:

1 comentário em “(Português do Brasil) Por que algumas pessoas sentem prazer na dor? (V.4, N.3, P.1, 2021)

Responder

Seu endereço de e-mail não será publicado. Obrigatório *