Facebook Twitter Instagram YouTube

Perigos de um cabelo liso e duradouro (V.2, N.12, P.3, 2019)

Tempo de leitura: 3 minutos
#acessibilidade Desenho de uma mulher de cabelo comprido, com um lado esvoaçante e cacheado e um lado liso.

Texto escrito pelos colaboradores Leonardo Henrique de Macedo, Vitória Aparecida Procópio, Miguel Tabanez e Leonardo Martins Carneiro

Você já chegou em um salão de beleza e se sentiu sufocado(a), com a sensação de irritação nos olhos deixando você lacrimejando? Saiba que você está num ambiente extremamente prejudicial à saúde, porque esses vapores que está inalando podem ser da combinação de amônia e formol, usada para aplicação da progressiva.

A progressiva ficou muito famosa no início do século XXI, quando o padrão de beleza para cabelos visto em propagandas, novelas e filmes era o liso perfeito, sem nenhum “frizz”. Esse novo método veio para substituir o relaxamento, que é bem nocivo à estrutura capilar e couro cabeludo por usar soda cáustica. Mas não se engane: a progressiva tem seus perigos à saúde de quem usa e, principalmente, à de quem aplica, que estará mais exposto aos vapores. Os vapores vêm do principal princípio ativo desse procedimento, o formol. O formol é uma mistura de água e formaldeído. Este último é um composto orgânico volátil que causa irritações nos olhos e mucosa, edema pulmonar, pneumonia e até câncer, se houver longos períodos de exposição.

Em conjunto com um processo mecânico de alisamento, escova e chapinha, o formol no meio amoniacal consegue penetrar nas escamas na estrutura do seu cabelo e impermeabilizar o mesmo. Isso acaba dando um brilho, sensação de hidratação e duração de até 6 meses à escova, mas, na realidade, deixa seu cabelo sem penetração de água e nutrientes essenciais para o mesmo. Até tinturas aplicadas depois duram muito menos do que normalmente iriam durar.

E como com todos esses perigos à saúde, ninguém fez nada? Fizeram sim: depois de muitas reclamações, órgãos reguladores colocaram uma concentração limite de formol em produtos dedicados ao cabelo, de 0,2%, apenas para conservação dos mesmos. Óbvio que a parcela de pessoas que gostavam do resultado sem se preocupar com a saúde não ficou feliz com a medida e teve que achar outra forma de obter formol. Produtos começaram a conter o ácido glioxílico, que em temperaturas perto de 200°C, se decompõe em duas moléculas de formol e gás carbônico.

Ok, isso significa que não tem para onde correr se você quiser alisar seu cabelo com maior duração? Não, atualmente existem alternativas menos agressivas para quem deseja manter os fios alisados de forma prática, como é o caso das substâncias tioglicolato de amônia, guanidina e cisteína. Estas opções não alteram tanto a estrutura capilar do fio quanto o formol, dando um aspecto mais natural, e não desnutrem tanto o cabelo do ponto de vista proteico e de hidratação como o formol após o alisamento, mas não significa que podem ser manuseadas sem nenhum tipo de treinamento.

O que aconteceu com o formol foi mais um exemplo de uso irresponsável de um produto químico de alta toxicidade, que, devido a ótimas propriedades, começou a ser utilizado de forma massiva antes de estudos completos serem realizados. Em paralelo, a indústria da beleza vem abrindo espaço para outros padrões estéticos, porém a demanda pelo cabelo liso ainda persiste e novos produtos e métodos vêm sendo desenvolvidos. Esta evolução será contínua, obtendo produtos cada vez mais eficientes e seguros.

Fontes:

Fonte da imagem destacada: Girl vector created by freepik – www.freepik.com

BRASIL. Instituto Nacional de Câncer (INCA). Formol. 2018. Disponível em: https://www.inca.gov.br/exposicao-no-trabalho-e-no-ambiente/solventes/formol

A Fisiologia do cabelo. Revista Galena. São Paulo, n. 173, 01 Abr. 2016.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Orientações sobre alisantes. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/alisantes

Para saber mais:

https://vejasp.abril.com.br/blog/beleza-de-blog/como-a-progressiva-age-no-cabelo-e-quais-sao-as-alternativas-para-fugir-dela/

https://saude.abril.com.br/medicina/o-que-o-formol-causa-quando-usado-como-alisante-capilar/

https://mdemulher.abril.com.br/cabelos/os-perigos-causados-pelo-formol-dos-alisamentos-de-cabelo/

Outros divulgadores:

https://mdemulher.abril.com.br/cabelos/formol-tire-suas-duvidas-e-faca-o-alisamento-com-seguranca/

https://www.uai.com.br/app/noticia/saude/2017/04/03/noticias-saude,204517/uso-de-formol-em-formulas-de-alisamento-de-cabelo-conquistou-as-mulher.shtml

Compartilhe:

1 comentário em “Perigos de um cabelo liso e duradouro (V.2, N.12, P.3, 2019)

  1. Gostei muito do seu artigo. É importante alertar sobre o uso de alisantes que contém formol, pois muitas mulheres ainda buscam o liso perfeito e acabam extrapolando doses ou até mesmo adquirindo produtos suspeitos. Até escrevi um artigo sobre Queda excessiva de cabelo: 10 motivos que fazem o seu cabelo cair, pois o uso de química exagerado ou inadequado pode desenvolver um quadro de alopecia cicatricial.

Responder

Seu endereço de e-mail não será publicado. Obrigatório *