Facebook Twitter Instagram YouTube

O que poucos sabem sobre o velho e desbotado jeans (V.4, N.2, P.2, 2021)

Tempo de leitura: 3 minutos
#acessibilidade Foto de quatro calças jeans penduradas lado a lado.

Texto escrito pelos colaboradores Jessica Caroline Pena Alves da Silva, Sibila Aparecida de Almeida Oliveira, Tatiane Gomes e Matheus Godoy Bertelli Rodrigues

A indústria têxtil no Brasil é o segundo maior setor empregador na indústria de transformação, apresentando grande valor socioeconômico. Entretanto, apesar de todos os benefícios econômicos, esse segmento é um dos maiores consumidores de água e, além disso, utiliza grandes quantidades de corantes, liberando, consequentemente, grandes quantidades de efluentes poluidores no meio ambiente.

Do ponto de vista ambiental a etapa de tingimento é a mais preocupante, devido à variedade e complexidade dos produtos químicos empregados no processo. Entre todos os compostos utilizados, os corantes têm atraído mais atenção devido ao alto potencial de poluição que eles apresentam.

O índigo, também conhecido como anil, é um dos compostos mais utilizados na indústria têxtil no mundo, sendo responsável pela cor azul característica dos jeans. Este corante apresenta toxicidade ao ser humano em exposição prolongada e sua estrutura química confere à molécula alta estabilidade e difícil degradabilidade.

indigo - O que poucos sabem sobre o velho e desbotado jeans (V.4, N.2, P.2, 2021)

Atualmente, para você ter o seu jeans da moda, são necessários de 50 a 100 litros de água por quilo de tecido lavado. E o corante desta lavagem, para onde ele vai?

Dentre os impactos ambientais na produção do jeans, destaca-se a toxicidade envolvida no cultivo de sua matéria-prima (o cultivo de algodão utiliza cerca de 25% do volume agrotóxico consumido no mundo) e o consumo excessivo de água. Cerca de 90% da água de todo o processo é utilizada na etapa de tingimento que, além dos corantes sintéticos, como o índigo, ainda envolve grandes quantidades de metais, como cádmio, cromo, chumbo, mercúrio e zinco. Devido à alta estabilidade dos efluentes, a remoção da cor dos resíduos gerados é um dos principais desafios para as indústrias têxteis, uma vez que a degradação pelos métodos convencionais é mais difícil, já que os jeans são produzidos para serem resistentes ao suor, sabão, água e luz, o que aumenta as barreiras para que este seja um processo ambientalmente amigável.

O impacto causado ao meio ambiente pelo consumo de peças como os jeans é assustador. O volume alto de resíduos nos corpos hídricos e a presença de corantes dificulta a passagem de luz, prejudicando a fotossíntese e, consequentemente, afetando a biodiversidade do sistema aquático. Para minimizar esse impacto, algumas empresas têm trabalhado com o jeans sustentável, produzido com algodão orgânico, obtido a partir da reutilização de retalhos de outras peças fabricadas anteriormente. Além disso, essas empresas utilizam processos produtivos com a redução de desperdício, reciclagem de resíduos e reuso de água. Entretanto, essa adaptação para um processo menos agressivo, torna o custo de fabricação maior do que o convencional, encarecendo o valor a ser pago pelo consumidor final. É importante entender que peças mais baratas podem ser mais atrativas, do ponto de vista financeiro, porém, a longo prazo, tem um reflexo direto nos problemas ambientais. Por isso, certifique-se bem antes de comprar uma peça nova, buscando sempre marcas responsáveis e sustentáveis, e, antes de descartar uma peça antiga, veja a possibilidade de revitalização e customização antes do descarte total. Em tempos em que muito se fala a respeito de sustentabilidade, cabe a nós repensarmos nossos hábitos. Que tal começar pelos jeans?

Fontes:

Fonte da imagem destacada: Foto de NEOSiAM 2021 no Pexels

Fonte da imagem 1: autores.

http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc37_3/04-QS-42-13.pdf

https://ativarsentidos.com.br/tato/calca-jeans-vilao-do-meio-ambiente/

Compartilhe:

Responder

Seu endereço de e-mail não será publicado. Obrigatório *