Poluentes Orgânicos Persistentes na Antártica: como é feita a pesquisa? (V.2, N.10, P.1, 2019)

Tempo estimado de leitura: 4 minuto(s)

A Antártida, mesmo sendo o mais isolado continente na Terra, não escapou dos impactos negativos da atividade humana. Seus ecossistemas marinhos e sua fauna endêmica são afetados em escala local e regional pela sobrepesca, poluição e introdução de espécies exóticas [1]. Além destes, também destaca-se a existência de poluentes extremamente nocivos à existência e manutenção da vida nestes locais, os chamados POPs. Os Poluentes orgânicos persistentes (POPs) são compostos sintéticos resistentes à degradação e altamente estáveis e, portanto muito persistentes no ambiente. Estes compostos não existem naturalmente no ambiente, sendo tóxicos e apresentando grande capacidade para a “bioacumulação”, ou seja, ficam acumulados nos seres vivos. Esses compostos podem evaporar e condensar sucessivamente, dependendo das condições climáticas, ao longo das latitudes terrestres, em direção aos pólos, num processo chamado “destilação global”. Esse mecanismo explica a presença de POPs nas regiões remotas onde nunca foram utilizados, como as ilhas oceânicas e a Antártica [2]. Além desta, a disseminação destes compostos também pode ser realizada através dos próprios animais, quando estes acabam ingerindo algumas destas substâncias e, devido a servirem como alimento para outras espécies ou mesmo por acabarem morrendo em algum local distante, acabam dispersando ainda mais estes compostos, como um vetor natural.

 

Estudos estão sendo realizados por muitos pesquisadores para que estes componentes possam ser identificados, bem como as formas com estão chegando e se espalhando pela região, através de metodologias que possibilitam identificar e quantificar sem gerar estresses ou influências à vida nos locais, como mostra o vídeo abaixo:

 

 

Este estudo está sendo coordenado por Silvia Dotta, Doutora em Educação e graduada em Comunicação. É membro da diretoria da APECS-Brasil – Associação de Pesquisadores e Educadores em Início de Carreira sobre o Mar e os Pólos e do Conselho do Polar Educators International – associação de professores e pesquisadores interessados em popularizar ciência dos polos.

 

Canal de vídeos Antártica ou Antártida? https://www.youtube.com/channel/UCwJwnV2VtBt-4k2mt-mbEfQ

 

Curso Antártica ou Antártida: http://proec.ufabc.edu.br/cursos/cursos-de-extensao/inscricoes-abertas/antartica-ou-antartida-como-inserir-as-ciencias-polares-no-curriculo-do-ensino-basico-2018/curso-de-extensao-antartica-ou-antartida-como-inserir-as-ciencias-polares-no-curriculo-do-ensino-basico-2018-inscricoes-abertas

 

Fanpage: https://www.facebook.com/antarticaouantartida

 

REFERÊNCIAS

 

[1]:www.teses.usp.br/teses/disponiveis/21/21133/tde-20042012…/CaioVinicius.pdf

 

[2]:http://www.io.usp.br/index.php/oceanos/textos/antartida/31-portugues/publicacoes/series-divulgacao/poluicao/812-poluentes-organicos-persistentes

 

Acesse às redes sociais do blog. Estamos no Twitter!

@Blog_UFABC

Related Post

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Twitter