Facebook Twitter Instagram YouTube

Sábio era o Soneca (V.1, N.5, P.6, 2018)

Tempo de leitura: 3 minutos
#acessibilidade Soneca dos sete anões tirando uma soneca.

Texto escrito pelos colaboradores Marcelo S. Caetano e Raquel Fornari

Algumas pessoas têm o hábito de tirar ao menos uma soneca ao longo do dia, geralmente à tarde, logo após o almoço. Há países em que esta prática é cultural e bem mais comum que em outros. Em algumas regiões europeias, por exemplo, é até lei o comércio e serviços públicos fecharem por algumas horas para este descanso diário. Aqui no Brasil, a horinha da moleza pós-refeição coincide com o meio do expediente de trabalho para os adultos e com as aulas na escola para muitas crianças. Portanto, para a maioria dos brasileiros, sem chances de sucumbir aos desejos sonolentos do nosso organismo…

Mas alguns estudos sugerem que talvez seja hora de repensarmos nossas práticas nas bandas de cá. Há vários trabalhos científicos que reportam os benefícios de uma soneca para a produtividade, o humor e até para a saúde do nosso coração! Um soninho ao longo do dia é mais eficiente que café para nos manter alertas; bebês que não fazem os soninhos do dia são mais ansiosos e têm mais dificuldade de resolver tarefas que envolvem resolução de problemas; e ao menos três sonecas semanais podem diminuir em até 37% as chances de morte por doenças coronárias!

Também há uma relação entre sono e memória. Nós já sabemos que uma boa noite de sono é fundamental para uma memória saudável. Sabe-se, por exemplo, que universitários em épocas de exames finais apresentam aumento na fase do sono chamada REM (“Rapid Eye Moviments”, na qual temos movimentos rápidos dos olhos, mesmo fechados). Quando pessoas e outros animais são experimentalmente privados desse tipo de sono específico antes ou depois de uma tarefa de memória, há um prejuízo no desempenho posterior dessa tarefa. Além disso, uma série de estudos mostrou que alguns processos neurais que ocorrem durante a aprendizagem podem se repetir durante o sono, como a ativação de determinadas regiões cerebrais, de determinadas células neurais, e inclusive a expressão de marcadores celulares, como alguns genes e proteínas.

Mas um estudo brasileiro publicado recentemente mostrou que, para além de uma boa noite de sono, crianças que fazem um soninho curto durante o dia na escola lembram mais dos conteúdos das aulas! Uma soneca de 30-60 minutos pós-aula aumentou em 10% o conteúdo lembrado dessas aulas 3 a 4 dias depois. Pois é, as aulas foram mais eficientes para as crianças que fizeram um soninho depois da aula do que para as que tiveram outra aula ou um intervalo (mas sem dormir) em seguida. Este trabalho é importante porque foi o primeiro a testar os efeitos na memória desses sonos de curta duração de forma controlada e sistemática em um cenário mais naturalístico, ou seja, na própria escola e conduzido pelos próprios professores daqueles alunos.

Então, quem não tem aquela preguiça, aquele sono, logo após o almoço? A ciência diz: tire uma soneca!

Fonte:

Fonte da imagem destacada: The Disney Wiki

Cabral, T., Mota, N.B., Fraga, L., Copelli, M., McDaniel, M.A., & Ribeiro, S. (2018). Post-class naps boost declarative learning in a naturalistic school setting. Science of Learning, 14, 1-4.

Para saber mais:

https://www.psychologytoday.com/us/blog/sleep-newzzz/200907/nap-vs-caffeine-vs-more-nighttime-sleep

https://www.sciencedaily.com/releases/2012/01/120103165012.htm

https://www.nytimes.com/2007/02/13/health/13nap.html

http://revistapesquisa.fapesp.br/2015/04/10/os-relevos-da-memoria/

Compartilhe:

Responder

Seu endereço de e-mail não será publicado. Obrigatório *