Facebook Twitter Instagram YouTube

O que tem a ver um tear com a era dos computadores? (V.3, N.2, P.3, 2020)

Tempo de leitura: 3 minutos
#acessibilidade À esquerda da foto, se vê uma parte de uma mulher sentada na frente de um tear, vestindo um casaco preto e branco, calça rosa e segurando na mão um objeto de madeira. Do tear aparece um tecido com um padrão, nas cores vermelha, verde e roxo.

Anteriormente, no texto Ada Lovelace e os números de Bernoulli, fizemos uma menção breve à conexão entre os computadores e os teares, especificamente o tear de Jacquard. Pois bem, vamos ver como foi que esses dois mecanismos se conectaram em algum momento da história.

Em 1837, o matemático Babbage tinha proposto sua famosa ‘máquina analítica’, que seria o primeiro projeto de construção de um computador de uso geral baseado em um sistema de cartões perfurados. Mas de onde veio a inspiração para criar este mecanismo? Bem, alguns anos atrás, um tecelão e mecânico de teares, o francês Joseph-Marie Jacquard patenteou seu invento: o tear de Jacquard, uma máquina que revolucionaria a fabricação de têxteis, pois tornaria possível a criação de diversos padrões nos tecidos em tempo muito curto. Essa automatização permitiu a produção em massa e diversificou tanto os consumidores quando o produto principal. A chave do sucesso do tear foi o uso de cartões perfurados intercambiáveis contendo diferentes combinações de perfurações ou buracos, onde a presença ou ausência de um buraco correspondia aos comandos ligar ou desligar (on/off), analogamente a um código binário (1 e 0) e que, no contexto do tear, correspondia a permitir ou não a passagem da linha para formar o tecido. Os cartões eram empilhados em sequência para gerar o padrão (desenho) final completo, sendo cada cartão uma linha desse desenho.

O fato de cada cartão ter o que hoje chamaríamos de um “código” diferente (cada padrão para gerar no tecido), já constitui uma forma de armazenamento de informação, embora não possa ser considerado um mecanismo digital como hoje entendemos este conceito. Babbage então utilizou esse avanço conceitual e propôs o uso dos cartões para inserir e obter dados, ou seja, os conjuntos de cartões perfurados (como o observado na figura abaixo) seriam efetivamente programas, no sentido atual da palavra, embora o desenvolvimento dos primeiros computadores como hoje os conhecemos ainda tivesse que esperar duas guerras mundiais para acontecer.

cartao 1928 - O que tem a ver um tear com a era dos computadores? (V.3, N.2, P.3, 2020)

#acessibilidade Imagem de um cartão com fileiras de números, com perfurações em alguns lugares.

Mas não somente Babbage e Jacquard trabalharam com os cartões perfurados. Enquanto o invento do Babbage nunca foi construído (por falta de dinheiro), em 1881 um engenheiro norte-americano, apaixonado por estatística, chamado Herman Hollerith iniciaria um projeto que o levou à invenção da máquina de contagem¹, um aparelho que permitiu agilizar o censo nos Estados Unidos. Além de utilizar os cartões perfurados, Hollerith fez uma grande contribuição, pois empregou a eletricidade para acelerar a leitura e contagem dos dados, fazendo com que um trabalho que demoraria dez anos, com seu invento fosse feito em apenas um. Quinze anos depois, Hollerith fundou sua própria companhia, e sua máquina de contagem era já um grande avanço no caminho para a computação automática. A invenção de Hollerith o levou a aderir à IBM em 1924, que produziu então cartões perfurados padronizados para um mercado com demanda cada vez maior.

Como disse, no fim da segunda guerra mundial, o mecanismo do tear de Jacquard tinha evoluído até a invenção de um aparelho de circuito eletrônico, uma máquina programável e digital: Mark I, o primeiro computador da história. Era 1944 e a era dos computadores tinha começado. Falaremos sobre o Mark I, em um texto futuro.

¹ Também chamada de máquina de tabulação.

Fontes:

Fonte da imagem destacada: https://www.unnatisilks.com/blog/knowyourfabric-confused-between-jacquard-brocade-well-we-are-here-to-tell-you-the-difference/

Fonte da imagem 1: Gift of Robert Skirvin via computerhistory.org

https://www.scienceandindustrymuseum.org.uk/objects-and-stories/jacquard-loom

https://www.computerhistory.org/storageengine/punched-cards-control-jacquard-loom/

Compartilhe:

Responder

Seu endereço de e-mail não será publicado. Obrigatório *