Facebook Twitter Instagram YouTube

Nobel de Medicina e Fisiologia de 2019 (V.2, N.10, P.2, 2019)

Tempo de leitura: 3 minutos
#acessibilidade Ilustrações feitas por Niklas Elmehed dos vencedores do Nobel. Da esquerda para a direita aparecem William G. Kaelin Jr., Sir Peter J. Ratcliffe e Gregg L. Semenza sobrepostos e vestindo ternos brancos com gravatas brancas com detalhes marrons. Os nomes dos três aparecem abaixo das respectivas ilustrações. Acima há a frase “THE NOBEL PRIZE IN PHYSIOLOGY OR MEDICINE 2019” e abaixo, entre aspas, “for their discoveries of how cells sense and adapt to oxygen availability”, em tradução livre: “O prêmio Nobel em fisiologia ou medicina 2019 por suas descobertas sobre como células sentem e se adaptam à disponibilidade de oxigênio”.

Texto escrito em colaboração com Cleiton Maciel

Quem já tentou ficar embaixo da água sem respirar sabe como o oxigênio é importante. Todos os organismos realizam a respiração para manter-se vivos, que pode ser aeróbica (que depende de oxigênio) ou anaeróbica (que não depende de oxigênio e é conhecida como fermentação). A respiração aeróbica ocorre em todos os animais vivos, incluindo nós, humanos. Assim, o oxigênio é essencial para a nossa existência. No nosso organismo ele é transportado pelas hemácias (popularmente chamadas de glóbulos vermelhos) até a mitocôndria e é um dos responsáveis pela produção da energia utilizada em todas as nossas atividades, físicas e mentais.

Em altitudes mais elevadas, como na Bolívia, a pressão atmosférica se reduz e como consequência nosso corpo sente a redução de oxigênio disponível para o nosso organismo (você provavelmente já assistiu a jogos de futebol onde jogadores brasileiros apresentavam dificuldades para respirar devido às elevadas altitudes). No entanto, decorrido algum tempo, o corpo se adapta e é possível respirar melhor. O mecanismo molecular envolvido na regulação e na percepção de oxigênio pelas nossas células tem sido explorado há alguns anos. Os avanços significativos dessa compreensão deram o Nobel de Medicina ou Fisiologia de 2019 a William G. Kaelin, Gregg L. Semenza e Peter J. Ratcliffe.

Uma das estruturas que ajuda nessa percepção é o corpo carotídeo, que fica próximo a grandes vasos sanguíneos nos dois lados do pescoço. Essa descoberta foi tema do Nobel de medicina, concedido a Corneille Heymans em 1938. Posteriormente, descobriu-se que o hormônio eritropoietina (EPO) também participa da regulação, levando ao aumento das hemácias quando em situação de hipóxia (diminuição das taxas de oxigênio no ar) para facilitar o transporte de oxigênio pelo corpo.

Os laureados deste ano descobriram que este hormônio está presente em diferentes tipos de células, em todos os tecidos do corpo e é regulado por um complexo proteico – chamado de fator induzido por hipóxia (HIF) – que se liga ao DNA dependendo da concentração de oxigênio na célula. Esse fator aumenta em baixos níveis de oxigênio sinalizando a necessidade de produção do hormônio EPO, que por sua vez aumenta o número de hemácias. Um outro controlador, o gene VHL, também participa dessa regulação, desligando a sinalização do fator HIF quando os níveis de oxigênio estão normais.

Além de descrever como funciona a regulação dos níveis de oxigênio que atua em todas as etapas da nossa vida, desde o desenvolvimento fetal e o crescimento até a nossa morte, essa descoberta é um grande passo na direção de novas evidências científicas sobre o tema. Diversas doenças são influenciadas pelo nível de oxigênio no organismo, como por exemplo alguns tipos de tumores, além das doenças respiratórias. Assim o potencial dessa descoberta é enorme, tanto para expandir a compreensão humana sobre o universo em que vivemos quanto para melhorar as condições da vida humana nesse universo.

Fontes:

Fonte da imagem destacada: Divulgação | Nobel Prize

https://www.nobelprize.org/prizes/medicine/2019/summary/

https://www1.folha.uol.com.br/ciencia/2019/10/nobel-de-medicina-de-2019-vai-para-pesquisa-sobre-como-celulas-percebem-oxigenio.shtml

https://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2019/10/07/nobel-de-medicina-vai-para-william-kalein-peter-ratcliffe-gregg-semenza.ghtml

Para saber mais:

Vídeo do anúncio do prêmio no canal do prêmio Nobel no Youtube

Compartilhe:

Responder

Seu endereço de e-mail não será publicado. Obrigatório *