Será que basta olhos para ver o arco-íris? Como os animais enxergam cores? (V.2, N.5, P.4, 2019)

Facebook Twitter Instagram YouTube

Será que basta olhos para ver o arco-íris? Como os animais enxergam cores? (V.2, N.5, P.4, 2019)

Tempo de leitura: 5 minutos
#acessibilidade Uma montagem de tamburutaca ou lagosta boxeadora (em inglês Mantis shrimp) em vista lateral, apresentando corpo avermelhado e base dos olhos azuladas com uma imagem quase transparente por cima com as cores do arco-íris divergindo de um ponto central em forma de margarida sugerindo movimento.

Gente, tem coisa mais alto astral do que um arco-íris? Seres humanos gostam de cores. Somos seres diurnos, que usam a visão como um dos principais sentidos. Sabemos que não funciona assim para todos os animais. Especialmente para os noturnos ou que vivem enterrados, a visão pode ter papel secundário. O olfato ou o tato ganham mais importância. Pensando assim, será que o arco-íris nasce para todos? Basta ter olhos para enxergá-lo? Quem nunca ouviu que touros não gostam de vermelho? Ou que cachorros enxergam em tons de cinza? São tantos tipos de olhos… É possível saber como outros animais enxergam? Nossos olhos são os que melhor enxergam cores?

Bom, primeiramente, só enxerga cores quem tem olhos. E olhos são estruturas interessantes: “as janelas da alma e o espelho do mundo…” Já olhou uma mosca olho no olho? Uma aranha? Um polvo? Um caranguejo? Seu cãozinho? Os olhos dos animais variam em tamanho e estrutura, mas existem células que são comuns a todos eles: células fotossensíveis, os chamados cones. Essas células apresentam em seu interior pigmentos que mudam de forma quando atingidas por luz. Cada pigmento muda mais intensamente quando atingido por um comprimento de onda específico. Quando o pigmento muda de forma, manda um sinal elétrico que é interpretado no sistema nervoso como uma imagem. Esse é o conhecimento básico que permite sabermos como os animais enxergam. Se um cientista sabe que determinado animal apresenta quatro tipos de cones e quais são os pigmentos dentro deles, ele pode criar um modelo do que deve ser a visão desse animal.

Seres humanos apresentam normalmente três tipos de cones. As abelhas e aves, por exemplo, quatro. Agora, a tamburutaca, um parente dos camarões, apresenta 12 tipos de cones! É elevar a visão de cores ao inimaginável! Assim, não, não temos os olhos que melhor enxergam cores no reino animal. O quarto cone das aves e das abelhas permite que elas enxerguem no espectro do ultravioleta e os cientistas realmente ainda são incapazes de construir um modelo de visão da tamburutaca.

Para falar a verdade, os modelos construídos permitem que saibamos quais cores os animais são capazes de enxergar, mas a imagem formada depende de informações que chegam de cada cone combinadas e outros fatores como a variabilidade genética e até habilidades desenvolvidas com o aprendizado, no caso humano. Assim, dificilmente saberemos a imagem exata formada a partir de um determinado estímulo luminoso. O arco-íris que você vê é único e só seu.

Fontes:

Fonte da imagem destacada: Pixabay.

Conway, B.R. et al. (2010). Advances in color science: from retina to behavior. Neuroscience 30(45): 14955–14963. (doi:10.1523/JNEUROSCI.4348-10.2010)

Conway,B.R. et al. (2018). A tour of contemporary color vision research. Vision research (https://doi.org/10.1016/j.visres.2018.06.009)

Tedore, C. and Nilsson, D-E. (2019). Avian UV vision enhances leaf surface contrasts in forest environments Nature Communications (https://doi.org/10.1038/s41467-018-08142-5)

Outros divulgadores:

https://www.colormatters.com/color-matters-for-kids/how-animals-see-color

http://www.nhm.ac.uk/discover/how-do-other-animals-see-the-world.html

Compartilhe:

Responder

Seu endereço de e-mail não será publicado. Obrigatório *