Labiotermes labralis

Cupim da semana!

Família: Termitidae
Subfamília: Syntermitinae

Ninho1

O quadro “cupim da semana” apresenta à vocês a espécie Labiotermes labralis. Descrito em 1906 pelo pesquisador sueco Nils Holmgren, nosso cupim da semana pertence à subfamília Syntermitinae. São capazes de construir grandes ninhos arborícolas utilizando fezes e pequenos fragmentos do solo. Seus lares podem chegar a incríveis 2 metros de altura, do mesmo tamanho do astro de basquete, Michael Jordan! Além do mais, é uma das espécies de cupim mais abundantes da floresta amazônica.

Por conta dessa abundância, L. labralis possui um papel ecológico crucial, pois “adubam” o solo das florestas em que habitam – a Amazônia e Mata Atlântica -, “processando” a matéria orgânica em seu sistema digestório e distribuindo os nutrientes pelo solo das florestas.

LabralisNinho.JPG

Nosso cupim da semana se alimenta de húmus, isto é, basicamente comem solo rico em matéria orgânica. Alguns estudos, entretanto, mostram que os cupins humívoros são os mais suscetíveis às mudanças ambientais, e o desmatamento e fragmentação da Amazônia podem estar levando a uma diminuição das população dos nossos amigos.

Os Labiotermes labralis não são exclusivos da floresta amazônica, estão presentes também na parte norte da Mata Atlântica (com limite sul em Minas Gerais e Espírito Santo). A distribuição geográfica destes cupins pode ser um forte indício de que essas duas florestas – hoje separadas pela Caatinga e Cerrado – já foram áreas ligadas, onde diversas espécies migravam livremente.

Constantino

Assim como em outros membros da subfamília Syntermitinae, os soldados do gênero Labiotermes também possuem um tipo de defesa misto, tanto mecânica (com a mandíbula), quanto química (através da liberação de substâncias pelo naso). O naso desses cupins é muito menor do que de alguns outros da mesma subfamília. Já comparando com as outras espécies de Labiotermes, uma característica marcante nos soldados de L. labralis é a cabeça com poucos pelos e mais arredondada, além do labro muito grande e rígido com duas cerdas na ponta (como indica a seta vermelha na imagem ao lado).

flagra

É justamente esse labro diferente que deu o nome à espécie (e provavelmente ao gênero, uma vez que essa espécie foi a primeira descrita para esse gênero) .

Quando os cupinzeiros dessa espécie são ameaçados, não vá pensando que só os soldados defendem a colônia. Os operários também cumprem esse papel, defecando na zona ameaçada para espantar ou atrasar os invasores (veja a foto do “flagra”!). Eu não queria estar na pele dos invasores.


Texto por Samuel Marques Aguilera Leite

Publicado originalmente em 15/05/2020


Referências:

Constantino, R., 1992. Abundance and Diversity of Termites (Insecta: Isoptera) in Two Sites of Primary Rainforest in Brazilian Amazonia. Biotropica, Vol. 24, No. 3. pp. 420-430.

Constantino, R. , Acioli, A.N.S. ,Schmidt, K., Cuezzo, C., Carvalho, S.H.C. & Vasconcellos, A.,
2006. A taxonomic revision of the Neotropical termite genera Labiotermes Holmgren and Paracornitermes Emerson (Isoptera: Termitidae: Nasutitermitinae). Zootaxa 1340: 1–44 (2006).

De Souza, O., & Brown, V. (1994). Effects of habitat fragmentation on Amazonian termite communities. Journal of Tropical Ecology, 10(2), 197-206.

Dupont, L. ; Roy, V. ; Bakkali, A. ; Harry, M., 2009. Genetic variability of the soil-feeding termite Labiotermes labralis (Termitidae, Nasutitermitinae) in the Amazonian primary forest and remnant patches. Insect Conservation and Diversity 2009 Vol.2 No.1 pp.53-61.

Emerson, A.E., Banks, F.A., 1965. The Neotropical Genus Labiotermes (Holmgren): its Phylogeny, Distribution, and Ecology (Isoptera, Termitidae, Nasutitermitinae). American Museum Novitate 2208: 1:33..

M. Harry, V. Roy, A. Mercier, A. Livet, E. Garnier, N. Bousserrhine and C. Demache, 2007. Isolation and characterization of microsatellite markers in Labiotermes labralis (Isoptera, Termitidae, Nasutitermitinae). Molecular Ecology Notes 7, 121–123.

Prestwich, G.D., 1984. Defense Mechanisms in Termites. Ann. Rev. Entomol. 1984. 29:201-32.

T.G., Wood, 1988. Termites and the soil environment. Biol Fertil Soils 6, 228-23.

 

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *