Será que podemos aprender com os cupins como diminuir os impactos do Coronavírus?

Corona%20rainha%20covid

O que a pandemia do novo Coronavírus (Covid-19)  tem a ver com cupins?

Assim como nós, humanos, os cupins são animais sociais, isto é, vivem em grupos de indivíduos que chamamos sociedades. A vida em sociedade traz grandes vantagens para os que vivem nela, como por exemplo a cooperação em tarefas que sozinhos não seriam capazes de fazer. Entretanto, grandes aglomerados de seres vivos também trazem riscos, como a rápida transmissão de doenças.

Sim, cupins também precisam lidar com bactérias, fungos e vírus, os milhares de anos sob pressão desses patógenos tornou os cupins especialmente bons em lidar com esses problemas. Algumas das estratégias utilizadas por eles podem nos dar dicas de como diminuir os efeitos do coronavírus.

Existem duas formas dos cupins se defenderem contra patógenos. Uma delas é o sistema imunológico dos próprios indivíduos (assim como nós temos o nosso). A segunda forma, é o que chamamos de imunidade social, presente não apenas em cupins, mas em todos os insetos sociais, como formigas, abelhas e vespas. A imunidade social engloba um conjunto de comportamentos coletivos ou ações altruístas dos membros de um grupo que evitam, controlam ou eliminam doenças daquela sociedade (colônia).

Um dos comportamentos mais básicos do repertório desse tipo especial de imunidade é quando os indivíduos evitam explorar locais com grande chance de haver parasitas ou patógenos, evitando a entrada destes seres indesejados nas colônias. Bom, todo mundo já sabe, né? Ninguém indo onde as pessoas não respeitam o distanciamento social e não usam máscaras!!

syntermes

Se alguma doença infecciosa acabar entrando na colônia, o passo seguinte é aumentar a higienização do ninho e de seus habitantes. Alguns estudos mostraram que substâncias produzidas por algumas glândulas dos soldados e outras presentes nas fezes dos cupins, são antissépticas e utilizadas para evitar o aumento do contágio entre os indivíduos da colônia. Se eles estivessem no nosso lugar, diriam: Ow! Não esqueça o álcool-gel, lave bem as mãos com sabão, limpe seu celular e as maçanetas das portas, vamos evitar o Coronavírus!!.

Muitos insetos sociais possuem ainda um sistema de divisão de tarefas por locais no ninho. Dessa forma, se um indivíduo é contaminado, evita-se que a doença se propague para outras partes do ninho. Os indivíduos mais importantes e sensíveis da colônia (os juvenis, rei e rainha) geralmente ficam no centro, o mais distante possível dos indivíduos que possuem mais chances de se contaminarem, isto é aqueles que estão indo para fora do ninho ou os que têm contato direto com eles. No caso do corona, precisamos isolar os indivíduos dos grupos de risco, que são as pessoas idosas, gestantes, portadoras de doenças crônicas, diabéticos, pessoas com câncer, dentre outros, evitando o contato delas com pessoas infectadas.

Indivíduos infectados nas colônias de cupins emitem sinais vibracionais, para outros indivíduos, como que dizendo: Galera, estou com corona! Não cheguem perto!!.

serri

E, finalmente, esses indivíduos podem se isolar voluntariamente (ou serem isolados por “livre e espontânea pressão” =P) do resto da colônia, isto é, os insetos sociais também desenvolveram um sistema de “quarentena” para amenizar os impactos da doença na sociedade!

Veja que muitas das ações que os cientistas e sanitaristas estão sugerindo para evitar maiores problemas com o Coronavírus já são realizadas por esses pequenos insetos há milhares e milhares de anos. Isso apenas reforça como devemos reagir em momentos críticos como esse! O momento exige que, assim como os cupins, devemos manter a calma, mas que saibamos ser altruístas e cooperativos, sempre lembrando que estamos “na mesma colônia!”.



Texto por Samuel Marques, Gabriel Olivieri, Joice Constantini e Tiago Carrijo
Publicado originalmente em 14/04/2020


Referências

Cremer, S. (2019). Social immunity in insects. Current Biology, 29(11), R458-R463.

Cremer, S., Armitage, S. A., & Schmid-Hempel, P. (2007). Social immunity. Current biology, 17(16), R693-R702.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *