Constrictotermes cyphergaster

Cupim da semana!

Família: Termitidae
Subfamília: Nasutitermitinae

Se você acompanha nossa página tem algum tempo, já deve saber que nem todos os cupins comem madeira, né? Tem uns que comem grama, outros comem húmus.. agora talvez você não saiba, mas com o cupim dessa semana você vai descobrir que tem alguns que comem líquen! Líquens são organismos formados por uma simbiose entre fungos e algas microscópicas (sim, algas fora do mar!), e que geralmente vivem grudados nas cascas das árvores. O cupim dessa semana, que tem essa dieta gourmet inclui esse item peculiar em sua dieta, é o Constrictotermes cyphergaster, que está presente na Caatinga, no Cerrado, e também no Chaco, mas é especialmente abundante e importante na Caatinga.

Ninho%20de%20constrictotermes.JPG

Este cupim constrói ninhos em pedras, arbustos ou árvores pequenas. Para fazer o ninho, ele literalmente mastiga terra e cospe(!), além de usar suas próprias fezes e também material retirado diretamente das plantas. Além do ninho principal, há também várias galerias ligadas por túneis, que servem para que eles possam procurar alimento em áreas maiores, ou pra ser um plano B caso o ninho principal seja destruído. O C. cyphergaster segue uma rotina rígida. Na Caatinga, às 17h30, os cupins vão realizar seus trabalhos, alguns vão trabalhar na construção, alguns vão coletar comida, enquanto outros ficam de guarda. Seu expediente acaba às 22h30, quando enfim retornam para seus ninhos.

O ninho do C. cyphergaster pode ser um espaço concorrido. Vários animais, desde alguns insetos e aracnídeos, até pássaros e mamíferos que não gostam muito de trabalho duro buscam abrigo em sua casa. Como exemplo temos um gênero de cupins que só vivem morando de graça na casa dos outros (os Inquilinitermes), e também aqueles besouros que se disfarçam de cupins para conseguir abrigo (veja mais nesse outro texto!).

Uma das contribuições ecológicas mais importantes desse pequeno herói é… morrer. Esses cupins são atacados e comidos por diversos animais, entre eles formigas, pássaros, tatus e os famosos tamanduás. Especialmente em um ambiente árido como a Caatinga, onde existe escassez de alimento, o C. cyphergaster tem um importante papel ecológico como fonte de alimento para vários animais.

Constrictotermes%20Caatinga

Mas saiba que os cupins não desistem sem resistir! Eles contam com soldados para defender o ninho. Quando sentem o perigo, os cupins soldados liberam jatos de substâncias químicas que matam os inimigos pequenos e espantam os grandes (como os tamanduás), essas substâncias deixam os cupins que estão perto raivosos e fazem-nos avisar o resto do ninho (veja mais sobre essa estratégia de defesa nesse vídeo).
Mas calma — os nosso herói não é simplesmente um mártir. Os cupins desta espécie forrageiam na terra e, nesse processo, eles cavam, o que traz terra das profundidades para cima, além de deixar o solo mais aerado, o que melhora a qualidade dele e ajuda as plantas a crescerem.
Constrictotermes cyphergaster é muito importante para a Caatinga, assim como cupins de toda espécie são para os ambientes em que vivem. Eai? Vamos respeitar os cupins?


Texto por Gustavo Pires Matheus

Publicado originalmente em 24/04/2020


Referências:
Da Cunha, H.F. et al. No Morphometric Distinction between the Host Constrictotermes cyphergaster (Silvestri) (Isoptera: Termitidae, Nasutitermitinae) and its Obligatory Termitophile Corotoca melantho Schiødte (Coleoptera: Staphylinidae). Sociobiology 62, 65–69 (2015).

Cristaldo, P.F. et al. The nature of alarm communication in Constrictotermes cyphergaster (Blattodea: Termitoidea: Termitidae): The integration of chemical and vibroacoustic signals. Biol. Open 4, 1649–1659 (2016).

Bezerra-Gusmão, M.A. História natural de Constrictotermes cyphergaster (Silvestri, 1901) (Isoptera; Termididae) em uma área de caatinga do cariri paraibano, no nordeste do Brasil. Tese de doutorado. Universidade Federal da Paraíba. 130p (2008).

Barbosa-Silva, A.M. et al. Richness of Lichens Consumed by Constrictotermes cyphergaster in the Semi-arid Region of Brazil. Sociobiology 66(1): 154-160 (2019)

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *